Dicas


 

SÍNDROME DA PORTA ABERTA

 

Muito interessante o artigo de Christian Rocha Coelho especialista em gestão pedagógica, publicado na Revista Escolas, intitulado "Síndrome da porta aberta".

Ele nos diz que as tais "portas abertas" que muitas escolas referem como sendo um dos diferenciais na verdade a médio e longo prazo "impede qualquer tentativa de organização, pois cria uma cultura de atividades circunstanciais na qual os colaboradores não tem controle sob seus afazeres".

Em nossa escola sugerimos que os pais marquem hora (exceto em emergências quando serão prontamente atendidos) para conversar com a educadora, a coordenação ou a direção exatamente porque priorizamos a organização de nossos afazeres levando em conta nosso papel educacional.

Também aos visitantes sugerimos marcar hora (e isto é infelizmente muitas vezes mal interpretado) exatamente para que possamos ter uma rotina escolar que beneficie a criança.

Entendemos que se há confiança na escola, se houve uma entrevista preliminar bem feita com uma escolha consciente, se há encontros pedagógicos, encontros quando há dificuldades de qualquer ordem, relatórios sobre o desenvolvimento e um diário para comunicações a criança estará bem monitorada.

A escola é um espaço da criança. Algumas horas distante dos pais sob uma intervenção adequada e amorosa permitirá a criança crescer autônoma e confiante. Aos pais estas horas serão também preciosas para a dedicação aos seus afazeres.

Temos responsabilidades com as crianças e estamos sempre atentas e abertas aos pais. Apenas solicitamos agendar horários para exatamente não roubar da criança um tempo precioso com suas educadoras.

Maria Teresa Martinelli Stangorlini
(psicóloga, psicanalista e diretora da Educati Educação Infantil)